quarta-feira, maio 28, 2008

Momentos...

Arrepiou-se! Talvez fosse o ar condicionado... Sempre descontrolado... Ora frio, ora calor. Nunca se sabia muito bem o que vestir...
Sabia-lhe bem sentir o toque suave do longo cabelo nas partes descobertas das suas costas... Nos ombros a céu aberto. Um decote simpático também deixava que uma ou outra madeixa lhe beijasse a pele. Gostava do toque.
Aliado ao toque uma memória olfativa... Quase podia imaginar-se noutro lugar.
Numa luta contra o próprio eu, tentava não se deixar levar pelas sensações... pelas emoções... Sabia que nenhuma delas alimentaria sentimentos, se levadas a extremos incalculados...
Pretendia ponderar... sempre agir com a razão... Mas era, no fundo, uma pessoa de emoções... E até gostava... Tal como sorrira de manhã cedo, ao receber o Bom Dia de um simpático pardal que cantarolava alegremente, gostava de sorrir do nada. Por um reflexo de raio solar. Por um cheiro de gaivota a planar. Por um olhar longínquo mas profundo. Por um toque de madeixa num peito desnudado.
Gostava de se saber emocional. Mas um pouco de razão não fazia mal... Um pouco mais de pensamento comedido pelo respeito pelo espaço de outrém... Gostava de sentir os picos de adrenalina, o coração a bater, o suor a espreitar, as mãos a tremer, pupilas a dilatar... Gostava! Sentia-se viva. Sentia-se humana. Sentia-se feliz... Gostava de repetir vezes sem conta que a felicidade se constrói das pequenas coisas. Sorria constantemente sem razão aparente. E esses sorrisos tornavam-na numa pessoa alegre, bem-disposta... "Sorriso sempre pronto", já lhe tinham dito. "Inspirador", também ouviu... "Obrigas a que te sorriam de volta"...
Era algo natural. Como tudo o que fazia... Levada pelas tais das emoções que às vezes gostava de controlar um pouco mais, era considerada uma pessoa espontânea...
Gostava de ser emocional, de sorrir sem razão, de fazer elogios inesperados, de abraçar... Gostava! Gostava de gerar sorrisos em lábios alheios. De ver os olhos brilhar. De sentir emoção no ar.... Gostava!
Gostaria também, de quando em vez, de estar certa do seu espaço... De não se sentir imensa. Demasiado. Gostava! Gostava de estar certa de fazer sempre o melhor... não só para ela... Era egoísta, sim, mas não a esse ponto. Queria estar bem, sorrir, ser feliz... Mas mais que isso, gostava de sentir que era capaz de gerar um sorriso inesperado, de proporcionar um momento de felicidade incalculada, de despertar o gosto por uma felicidade mais comum, mais do dia-a-dia, mais regular, mais simples, mais real, mais palpável, mais presente, mais feliz...

Etiquetas: , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial