quarta-feira, maio 28, 2008

Retiro

É uma espécie de retiro. Sinto-o como se tivesse um tecto baixo. Talvez com algum material que o aconchegue, aqueça... Talvez tivesse uma pequena porta. Daquelas que só perpassamos agachados, qual criança em brincadeira de fim de tarde na sua casa de bonecas... Estou encostada às almofadas. Pernas estendidas, este é o meu momento. Toca uma música que me estimula os sentidos. O chá já acabou. Tenho o meu livro novo na mão, mas não é para já. A luz é ténue, suave. Reflecte no meu canto laranja... Chove! Gotas de água correm vidro abaixo numa dança sem fim, sem sentido, sem sabor, sem espera...
Serenidade! Pode dizer-se que o relógio parou, o coração não bate, o peito não se eleva. Sossego! Uma viola toca notas soltas, harmoniosas, suaves, fluidas... Paz de espírito! O lápis mal afiado corre papel afora, podia dizer que sem sentido, sem ritmo, sem cuidado com a forma ou conteúdo... Simplesmente me viro pa dentro. Estar comigo própria. Sentir o bater do meu coração. Ouvir pensamentos que voam pelo disparate e pela patetice. Uma pausa no turbilhão. Sorrisos que dançam ao sabor da música que se alegra... A viola canta só para mim. É só minha. Numa melodia inigualável simplesmente expurga tudo o que de impuro mancha a minha emoção. Limpa! Alma limpa, lavada, leve... em paz... Carrego no botão do repeat, escorrego pelas almofadas e puxo do meu livro novo...

Imagens d'aqui
e d'aqui

Etiquetas:

2 Comentários:

Às maio 29, 2008 2:00 da tarde , Blogger Miguel F. Carvalho disse...

o sentimento invadiu este espaço... ;-)

 
Às maio 30, 2008 1:45 da tarde , Blogger Catarina em Lx disse...

miguel, f. carvalho,
opááá!!! Isto, de vez em quando tb é preciso né?!?!?! Agora, só disparates, só disparates... Há que dar asas à imaginação e deixar correr o lápis pelo papel... Don't u agree?

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial