quarta-feira, março 29, 2006

Há dias assim...#6

Quando o esforço não é recompensado.
Quando o empenho não é reconhecido, apesar de constatado.
Quando as diferenças permanecem, apesar de não justas.
Quando a capacidade de resistência atinge o limite.
Quando deixo de acreditar no que me prometem.
Quando a injustiça se torna hábito e deixa de incomodar terceiros.
Quando o futuro não sorri.
Chega um momento em que a saturação atinge um limite. Ou expludo e sai-me tudo da boca pa fora, ou faço o que fiz hoje: calei-me. Não reagi. Engoli mais uma vez afronta da diferença. Comecei a tremer. O estômago começa a doer. A frustração é das maiores que alguma vez senti. O vómito chega à boca. Tremo da cabeça aos pés. Aparentemente está tudo bem. Apenas uma pessoa nota que algo não está bem comigo. Uma pessoa que me conhece muito bem. De resto, tudo está bem. Apesar de, por dentro, estar a desmoronar. Quero reagir e dizer umas coisas, mas a malta precisa de um vencimento ao fim do mês.
Além da frustração, sinto uma revolta cansada. Uma incapacidade de lidar com o que sinto de forma saudável, principalmente quando a injustiça tem a distinta lata de se exibir na minha tromba todo o santo dia...
Há alturas em que o emocional me exige que mande tudo às urtigas. O racional pensa de outra forma. Há dias em que nada me faz sorrir; nem o sol bonito de manhã, nem o verde que me acompanha janela afora desde casa até à jolalândia; nem uma brincadeira propositada para me animar do meu Baco. Há dias em que tudo é negro e a luz no fundo do túnel não se vê. Há dias em que nada ajuda a melhorar o balanço. Há dias assim...

Etiquetas:

3 Comentários:

Às março 30, 2006 9:20 da manhã , Blogger Lótus Azul disse...

Catarina... depois de ler este texto, alguns dos meus textos e textos doutras pessoas sobre o trabalho, chego sempre à mesma conclusão: A merda é a mesma. A diferença está no balde.

A única solução (um bocado deprimente, eu sei) é aprender a não esperar nada... Senão houver expectativas, tudo o que vier é bem recebido.

Mas atenção, isto às vezes pode confundir-se com fraca auto-estima. Não é o caso. É só aprender a viver melhor, porque parece que em Portugal a realização de uma vida (principalmente das mulheres) não se faz no trabalho.

Caga nessa merda, são todos uns pulhas e quem se safa são sempre os incompetentes que não querem saber. Se não tens feitio para incompetente que não quer saber, não finjas, mas conforma-te desde já com a tua condição de injustiçada mal-paga, e para evitar frustrações vai procurar conforto noutra àrea da vida. Mudar de trabalho é só a renovação da esperança... ao fim de uns tempos descamba tudo no mesmo.

 
Às abril 01, 2006 10:26 da manhã , Blogger SOD, o Pérfido disse...

Sê bem-vinda ao mundo da prostituição, onde se dobra a espinha por dinheiro. Já todos passámos por isso, se bem que nem sempre apenas pelo dinheiro.

Diz a ti mesma o que quase todos dizemos:
"- É só mais esta vez. Um dia deixo isto de vez!"
E esta vez é sempre a última, até chegar a próxima...

 
Às abril 04, 2006 9:13 da tarde , Blogger Catarina em Lx disse...

lótus azul,
depois deste texto as coisas ainda pioraram mais... Não encontro palavras para explicar o que sentia na 6ª-feira... Mas recuso-me a pensar como dizes. Não consigo. E hei-de sempre procurar melhor. É talvez a estratégia que traz mais sofrimento, mas tb pode trazer maior realização...

sod, o pérfido,
desde que a próxima vez seja num local diferente... O dejá vu não é o meu projecto de vida!!!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial