quinta-feira, dezembro 11, 2008

Gotas de tinta...

Às vezes a tinta parecia querer sair de rompante. Cada gota, cada pedaço, cada borrão... Empurravam-se nervosamente na esperança de mais cedo tocar o papel. Era tanta e tão ansiosa que a caneta não parava jamais. Era um frenesi incomensurado! Nada naquele momento era mais importante que o fluir. Talvez sem forma, quem sabe que conteúdo, o sentido uma incógnita, o objectivo indefinido... Simplesmente ía fluindo. Gota após gota, simplesmente formava desenhos no papel. Curvas e mais curvas, só precisava de se soltar daquela prisãoque era de plástico transparente. De dentro viam papel limpo, imaculado, vazio, à espera de receber, receber... receber tinta, receber curvas e mais curvas, receber palavras, frases parágrafos... com e sem pontuação. Ideias, conceitos, emoções... sentimentos até, embora esses fossem de outro patamar, outra hierarquia, outra complexidade, outra razão ou falta dela e de novo a emoção, o emotivo...
Tinta! Apenas tinta que saía de um tubo trnasparente, por não mais suportar a prisão no conhecido...

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial