sexta-feira, dezembro 12, 2008

Em crescendo...

Sento-me e olho o horizonte. Não o espacial, mas o temporal. Sinto que apesar de honesta comigo, não o sou com a minha felicidade. As escolhas de outrora condicionam-me as capacidades de agora. De agir e reagir. De viver sem demais ponderar. Do coerente no tempo e no discurso. Assumir algo verbalmente é sempre um grande passo, quando o objecto de análise somos nós própios e as nossas capacidades, expectativas, desejos... E o que é um desejo? Imutável? Conciso? O desejo pode ser um, hoje, e outro completamente diferente amanhã?
Racionaliza... mas não no momento certo, não na medida certa. Soltar amarras, desfazer nós, decifrar códigos. Não verbalizar o desejo. Camuflá-lo! Disfarçá-lo! Vesti-lo de roupagens obscuras, desconhecidas, emsombradas... Explicar sem o fazer, desvendar sem revelar. Ponderar, matutar, matematizar quando o sensato seria apenas viver e usufruir...

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial