quinta-feira, abril 06, 2006

Jamais será igual...

A partir de hoje. Começa hoje. É um novo ciclo.
Depois do que hoje se passou a minha vida jamais será a mesma: desde as 14h sou a mais recente proprietária desta bela casota. É oficial. Escritura assinada e cheque passado. Aiiiii. nem que seja só por isso, jamais serei a mesma. Quando a notária saca do papel e diz "Já somei. O cheque que me tem que passar é deste valor!!!" não desmaiei do choque porque nunca fui dessas coisas. Esbugalhei os olhos e saquei da caneta. Escrevinhei o número que nunca mais acabava e cujo extenso ocupou as duas linhas do cheque, bem caladinha e enconstei-me na cadeira a ver se ela me amparava.
ESTOU POBRE!!! MUITO POBRE!!! Nem pa mandar cantar um cego tenho dinheiro. Chiça, que isto de ser verdadeiramente a dona da casa fica mai caro do que eu pensava...

O dia começou mal... agora que penso nisso... hum... seria um prenúncio? Whatever: enganei-me a programar o despertador e pus o bicho pa 1h mais tarde do que era suposto. Acordei com o Baco a passar-me por cima e a deixar fugir um discretíssimo "miuuuuu". O sacana volta a passar por cima de mim e eu penso "Então??? Tás parvo ou quê??? É melhor nem me mexer senão o gajo não me larga mais". Mantenho o empenho no "dormir até que a besta do despertador me acorde" quando... o Baco passa novamente por cima de mim e solta um menos discreto "miaaaau". Comecei a ficar irritada. Passa um carro na rua e vá-se lá saber porquê abro os olhos. O que há uns dias era para mim motivo de um enorme sofrimento, gerou pânico: já não era de noite... Olho para o despertador e devia estar levantada há mais de 45 minutos. Dum salto levanto-me. Banho. Roupa. Botas. Cremes e maquilhagens (de fugida pq não estava pa estes luxos). Pego no Actimel e quase me esquecia de agradecer ao Baco... Faço-lhe uma festa e voo para a jolalândia. Claro que aquelas curvas que já me pregaram sustos me vêem passar por elas a não mais de 40km/h...
O estrago não foi assim tanto: só cheguei 10 minutos atrasada. Mas para quem queria chegar mais cedo para compensar o tempo que ía ter que gastar na escritura...
Depois então foi o choque. Nem tive tempo para sentir aquela felicidade da maternidade recente... O resto do dia passou-se, mas não foi agradável. Voltei a trabalhar até às tantas e o caminho até casa foi feito na companhia da puta da dôr de cabeça que havia estoirado a meio da tarde...
A meio caminho reparo naquela luz de lusco-fusco no horizonte, já depois do pôr-do-sol... Aí sim, começo a sorrir. E a lembrar-me que isto agora é meu... Meu e do Banco, mas isso agora não interessa nada...
Estou aqui. É meu e posso disto fazer o que eu quiser. Posso andar nua em casa se me apetecer. Posso comer, ou não comer ou o raio que me parta. Posso dormir ou não dormir. Posso ver televisão ou ouvir o silêncio. Posso tudo dentro do meu espaço que é meu e onde não tenho que dar contas a ninguém, do que faço ou do que não faço, ou do que me apetece, ou do que não me apetece. Posso tudo e tudo farei. Não tenho que ter a preocupação de não fazer barulho com o copo não vá eu acordar alguém... Poso deitar-me às 9h da noite, porque não me apetece fazer nada, nem dizer nada, nem ouvir nada, nem nada...
E sobretudo posso fazer aquilo que mais gozo me dá num fim de dia extenuante: ouvir o silêncio. Mal chego a casa, hoje, no dia em que a minha vida começou um novo ciclo, tiro as botas que me comem os pés. Tiro as calças que já me estão a irritar e visto as do pijama. Calço os chinelos confortáveis e apanho o cabelo. Tranco a porta de casa pois daqui ninguém me tira... E faz-se silêncio. Faço o jantar a ouvir o gás a sair da boca do fogão. Abro a torneira e o barulho é tão estridente que até tem piada. Enquanto apura, chego-me à varanda da sala a mordiscar um morango e ouço... ouço um grilo. Ouço um cão que soltou um suspiro. Ouço um pássaro chilrear. E não ouço mais nada... Silêncio!!! Ouço o silêncio por meia horita e só depois é que ligo o rádio. Isto sim, vale a pena. Isto sim, justifica a ginástica que vou ter que fazer por uns meses para me reequilibrar. Isto sim... e a minha vida? Jamais será igual...

4 Comentários:

Às abril 07, 2006 2:05 da tarde , Anonymous carlos disse...

Parabéns pela nova casa. Xicoração.

 
Às abril 07, 2006 4:05 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

parabéns!

e podes tomar banho dps de uma noitada recheada de copos, em espaços cheios de fumo....

 
Às abril 09, 2006 1:01 da manhã , Blogger SOD, o Pérfido disse...

Sabes que isso não são os prazeres de quem possui uma casa. São os prazeres de quem vive sozinha...

 
Às abril 09, 2006 6:28 da tarde , Blogger Catarina em Lx disse...

carlos,
bigada!!!

anonymous,
gracias... isso podia de qq forma. Banho de mar e banhinho na banheirinha...

sod, o pérfido,
tens razão! Seja como fôr, sabe que nem ginjas!!!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial