terça-feira, abril 17, 2007

Poema da Flor Proibida



Por detrás de cada flor

há um homem de chapéu de coco e sobrolho carregado.

Podia estar à frente ou estar ao lado,

mas não, está colocado

exactamente por detrás da flor.

Também não está escondido nem dissimulado,

está dignamente especado

por detrás da flor.

Abro as narinas para respirar

o perfume da flor,

não de repente

(é claro) mas devagar,

a pouco e pouco,

com os olhos postos no chapéu de coco.

Ele ama-me. Defende-me com os seus carinhos,

protege-me com o seu amor.

Ele sabe que a flor pode ter espinhos,

ou tem mesmo,

ou já teve,

ou pode vir a ter,

e fica triste se me vê sofrer.

Transmito um pensamento à flor

sem mover a cabeça e sem olhar.

De repente,

como um cão cínico arreganho o dente

e engulo-a sem mastigar

Rómulo de Carvalho

2 Comentários:

Às abril 18, 2007 4:11 da tarde , Blogger Inês disse...

Ein? Isto veio de donde?... Estás bem, sis? :P

 
Às abril 18, 2007 10:19 da tarde , Blogger Catarina em Lx disse...

sis,
:) Há dias assim...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial